terça-feira, 20 de março de 2012

Por que os radioamadores atuais se procupam tanto com o áudio?



Fazendo uma comparação um pouco grosseira, mas objetiva, os equipamentos de radioamadores e os motores de automóveis não mudaram em nada após as suas invenções. Hoje, se desmontarmos um motor de carro vamos ver que 90% do que encontramos lá são os mesmos componentes de quando foram criados os primeiros carros.

O mesmo acontece com os tranceptores de radioamadores; ali encontramos: pré-amplificadores de microfone, bobinas de sintonia, VFO, circuito de modulador balanceado, tanque final, etc…, tudo igualzinho ao que havia desde o começo da invenção dos trasmissores.

Hoje o que existe são transceptores modernos, com alguns adornos, em cima do que já existia, desde muitos anos, como limitadores de ruído, DSP, etc…

Quando corujamos os colegas possuidores desses transceptores modernos, notamos que eles não “fazem mais rádio“, como costumeiramente, mas ficam o tempo todo se perguntando: como está o meu áudio, como está o meu áudio, como está o meu áudio, tema este que era muito pouco falado na época do AM, porque essa modalidade representava e representa até os dias de hoje, o melhor áudio Hi-fi que se conseguiu até agora; AM não tem distorção, enquanto FM e DSP têm; sabe-se que o melhor áudio se consegue é aquele com duas válvulas EL34 na saída do áudio, apoiados por um circuito envolvendo outra excelente válvula a 12 AX7, que é um duplo triodo pré-amplificado de microfone; por sinal os colegas radioamadores que usam transceptores com DSP já estão até mesmo adquirindo “mesas” para microfones, com circuitos feitos de válvulas 12 AX7, no intuito de melhorarem a “performance” dos transceptores devido à distorção produzida por DSP.

Quando nós operávamos com os antigos transmissores valvulados de AM, como os DELTAS GELOSO, raramente nós faziamos a pergunta “como está o meu áudio”, porque todos aqueles transmissores tinham a mesma qualidade de áudio e ninguém ia se preocupar de fazer a pergunta tão reduntante. As únicas vezes que alguém reclamava do áudio era quando aquela malha do cabo de microfone feita de muitos fios fininhos dourados se enferrujava e ai se quebrando até isolar do terra provocando um zumbido desagradável para quem estava do outro lado nos escutando.

Portanto, colegas, o melhor áudio Hi-Fi é o AM. Você não precisa ir atrás de outro. Por mais que os colegas possuidores de transceptores com DSP procurem melhorar o áudio deles, nunca irão chegar a nenhuma conclusão, pois o SSB já é uma deformação do AM e o DSP, uma deformação dos dois, o que ainda complica mais a situação

Além de tudo eu já notei que os transceptores com DSP precisam ser sempre reconfigurados cada vez que os ligamos para falar.

Fontes:

QTC da Labre-Ceará -PU4-TAM / PX4H-2657 / Magela

Um comentário:

Anônimo disse...

Esses microfones de alta-fidelidade, com mesa e demais acessórios, são, também, 'adornos', como refere o autor do artigo.
Para quem gosta e faz DX, tais microfones são praticamente inúteis, pois para contatos a longa distância e com propagação ruim, penso que os áudios mais agudos são mais penetrantes.
Hoje, na faixa de 40 mts, está difícil identificar 'quem é quem', pois o HI FI tende a deixar todas as modulações iguais. E se perde tempo demais 'ajustando', do que fazendo radio.....
Não tenho nada contra o uso, mas fico com a tradição do dinâmico ou, no máximo, um desses 'Lupitys' da vida...Nada mais que isso.
73 de PS7CY